Latino-Poemas
¡Regístrese Ahora!     Conectarse

Consultar

Otros

Usuarios conectados

56 usuario(s) en línea (40 usuario(s) navegando Poemas y prosas)

Registrados: 0
Invitados: 56

más ....

Licencia

Licencia Creative Commons

Crónicas : 

Conversa puxa conversa

Etiquetas: Etiquetascrônicas   Etiquetasdança   Etiquetasvalorização   Etiquetassaci   Etiquetasfolclore   Etiquetasconversa  
 
Eu posso entender “superficialmente” sobre muitas coisas. O que me interessa procuro aprofundar-me mais. Porém, tem coisas que, por algum motivo, eu me interesso, mas não procuro aprofundar-me. Política por exemplo. Política é uma coisa que, quanto mais você fica “entendendo”, mais você fica indignado. Talvez seja por isso que o povo procura ficar de fora dessa sujeira. Mas, como eu digo no título "Conversa puxa conversa", o meu assunto aqui é outro. Eu quero falar sobre Folclore. Eu quero saber (dentro da minha santa ignorância), se quando uma determinada coisa é “transformada” em folclore, se ela ganha mais valor ou perde? Eu faço a pergunta, como um ignorante curioso, tentando “desingnorar”?).

Há muito tempo fico observando que as pessoas olham o folclore como um mito, uma brincadeira... Como algo que, por algum motivo, deve ser preservado, mas não precisa ser respeitado. Taí os exemplos: Papai Noel, Saci Pererê, mula sem cabeça... Na hora da precisão, eles estão ali, eles servem para alguma coisa. Depois joga-se fora, esquece-se. Alguém já viu alguma música folclórica valorizada? Não. O valor dela é sentimental... É por isso que o samba de roda, que é a base de muitos sambas de sucesso, é utilizado, e o pessoal que o utiliza não faz a mínima citação da fonte “arrecadadora”.
A resposta é: Ah, mas todo mundo já sabe. Sabe, as pessoas que estão na lida há mais tempo e alguns curiosos. Mas a geração de agora e as gerações vindouras, se não tiver a citação da fonte, jamais saberá.
Bem, mas a conversa é outra. Eu quero chegar é à Religião. Vocês já viram alguma Religião pertencer (também) ao folclore? Isso faz dela o que? Dignifica, valoriza... Ou faz com que ela entre (também) no conceito geral de “folclore”? O Candomblé é “vendido” como folclore. Seus rituais, seus orixás, suas iguarias... A capoeira é arte marcial, mas é mais vista como folclore. Ela foi disfarçada como dança para sobreviver. Será que o caratê, o judô etc, lá na terra de origem, também é visto como folclore? Os nossos índios são vistos como folclore. Tudo dos índios é visto como folclore: A religião, as armas, as vestimentas... A cultura enfim. Bem, eu vou deixar os índios para outra conversa.
Eu só quero é saber isto: se alguma coisa “beneficiada” com o título de folclórica, ganha mais valor ou perde?

A.J. Cardiais


Um poeta, um sonhador, um buscador, um hippie, um Anarquista... Sei lá! Um vagabundo, tentando melhorar o mundo.Open in new window

Poeta
AJCardiais
Poeta AJCardiais
Poemas del mismo poetaMás poemas
Rss del poetaRss del poeta
EstadísticasEstadísticas
 
Poema
Fecha 13/6/2012 10:47:29
Lecturas 664
Favoritos 0
Licencia Licencia Creative Commons
Enviar a un amigoEnviar
Versión imprimibleImprimir
Crea un documento PDF con el poemaCrear un pdf
Recientes
Os sonhos, ou dos sonhos
Encruzilhada
Falando de amor - 2
Diário de bordo
Busca
Al azar
Respeito
Coisas & poesias
In Feliz, On Feliz
Transcrição
Bem Lá No Fundo
Los usuarios son responsables de sus propios comentarios.

Etiquetas

Login

Nombre:

Contraseña:

Recordar



¿Recuperar la contraseña?

Regístrese

Comentarios recientes

Poemas más leídos recientemente