Latino-Poemas
¡Regístrese Ahora!     Conectarse

Consultar

Otros

Usuarios conectados

45 usuario(s) en línea (26 usuario(s) navegando Poemas y prosas)

Registrados: 0
Invitados: 45

más ....

Licencia

Licencia Creative Commons
Textos : 

Revisitando o túmulo

 





Revisitando o túmulo



A cena se passa na Espanha, em 1908




Cena Única




Um cemitério cheio de lápides. É de noite. Só há uma pessoa em cena chamada Diana. Ela invadiu o cemitério para ver uma lápide.



Diana- Segunda vez que consigo realmente pular a cerca desse cemitério e vir visitar minha prima. Ah, como eu gostaria de ter falado mais com ela. Como eu gostaria de poder tê-la visto pela última vez, mas agora a única ação que me sobra é visitar esse túmulo todas as sextas e terças, e enganando o vigia. Sei que não é algo muito agradável de se fazer. Sei que posso até ser presa, mas eu preciso pela última ou últimas vezes revisitar esse túmulo. Ah, eu gostaria mesmo que ela ainda estivesse viva, mas a maldita tuberculose, esta ceifadora inclemente e satânica não para de ceifar pessoas aos milhões. Essa doença que provavelmente não passa de uma obra humana... Sim, minha querida prima, eu ainda virei te ver pelas últimas semanas, e então terei que me conformar em não vê-la nunca mais, ou se existe vida após a morte, ver apenas um simulacro seu. Sim, essa será a atitude a ser tomada. E pensar que dois tios meus estão prestes a vir para cá... É, eu realmente tenho uma família acometida por essa praga que irá existir por mais séculos.


Ela tira duas rosas de uma pequena bolsa que está com ela. Ela deposita diante do túmulo. Ela se ajoelha e lê as letras na lápide.



Diana- Agora, eu preciso te dizer, minha cara prima, eu... (Ouvimos passos de uma pessoa se aproximando. Diana se esconde atrás de uma lápide alta).



Homem- Já é a terceira vez que ouço uma pessoa falando aqui. Como não há fantasmas, só pode ser uma pessoa de carne e osso. Vou começar a colocar guardas além de mim aqui no cemitério (Faz uma vistoria superficial). - Droga, eu ainda pegarei esse maldito ou maldita que está me enganando e atrapalhando meu trabalho(Sai).



Diana sai de trás da lápide e vai até a lápide de sua prima, ela fala sussurrando:



Diana- Virei aqui semana que vem, e continuarei de onde paramos. Agora descanse, minha cara prima (Ela sai rapidamente).




O pano desce rapidamente.




Fim

Poeta
lud
Poeta lud
Poemas del mismo poetaMás poemas
Rss del poetaRss del poeta
EstadísticasEstadísticas
 
Poema
Fecha 2/1/2019 13:06:34
Lecturas 37
Favoritos 0
Licencia Licencia Creative Commons
Enviar a un amigoEnviar
Versión imprimibleImprimir
Crea un documento PDF con el poemaCrear un pdf
Recientes
Haikai 773
Haikai 772
Haikai 771
Haikai 770
Cinderella
Al azar
Haikai 740
Haikai 591
Edith Villiers, Countess of Lytton (1862)
Escorpião na casa 8
Haikai 80
Los usuarios son responsables de sus propios comentarios.

Etiquetas

Login

Nombre:

Contraseña:

Recordar



¿Recuperar la contraseña?

Regístrese

Comentarios recientes

Poemas más leídos recientemente

A nobreza de quem sabe sofrer
AJCardiais
29/12/2018 11:56:18
O Meu Coração
AJCardiais
30/9/2018 23:28:22
A Irregularidade do ato
AJCardiais
16/10/2018 15:45:26
Experimentação ou Possibilidades
AJCardiais
10/6/2012 18:06:56
Obrigado Poeta
AJCardiais
4/11/2012 14:43:13
Erudição
AJCardiais
25/4/2019 18:46:46
MI PUEBLO
necoperata
3/11/2012 3:34:26
MI HOGAR
Starlight
26/9/2011 20:51:59
Tus lindos ojos
juank0905041
20/9/2013 17:14:33
2 meses a tu lado
caz_master
11/5/2012 4:22:07