Latino-Poemas
¡Regístrese Ahora!     Conectarse

Consultar

Otros

Usuarios conectados

29 usuario(s) en línea (18 usuario(s) navegando Poemas y prosas)

Registrados: 0
Invitados: 29

más ....

Licencia

Licencia Creative Commons
Poemas -> Surrealistas : 

O sonho de Nabucodonosor

 





I

O monarca de valores austeros
Mergulha em sonhos em uma
Fria noite, como nunca antes,
Um sonho vem a ele sem pedir
Autorização, sabe entretanto
Que pertence a mundos elevados.

Na mente de Nabucodonosor os
Símbolos vão se tornando uma
Realidade palpável, o fantástico
Onirismo se entrega aos sentidos
Concretos do rei, e mostra a ele
Uma imagem misteriosa e simples.


II
Uma frondosa e altíssima
Árvore aparece no sonho,
Uma única árvore em
Lugar quase inóspito.

A primeira impressão é
De susto, pois não existe
Árvore de tal porte,os ramos
Tocam o céu, o tronco se
Assemelha a junção de
Milhares de árvores existentes.

Brada o celeste mensageiro:
"Cortai a árvore e espalhai
Seus ramos, pois sua grandeza
Atingius os céus e não pode
Mais se manter em pé.

A grande árvore é arrancada
Caindo com grande estrondo,
Desfolhada e sem glória o
Colosso da natureza não é
Mais do que pura decadência.



III


Tomado de susto e pavor
O grande rei acorda perturbado,
Seus sentidos se agitam, as
Emoções perfuram cada saudável
Órgão do corpo, quem sentirá além
Do próprio Nabucodonosor o que
Ele sente profundamente?
Quem responderá a sua alma?

Corre apressado pelo palácio
Todos o tomam por louco,
Já não sabiam através do
Profeta hebreu que o rei ficaria
Louco como as bestas do campo?

Com um brado chama em sua
Presença os astrólogos, clama
Após contar o sonho para que
Interpretem-no corretamente,
Mas esperando dentro de si que a
Resposta dos sábios seja favorável,
Aprazível aos ouvidos e coração.

Porém o sonho é o mais sagrado,
Fechado e estranho mistério para
Os astrólogos, o rei desesperado,
Sem conhecimento,dobra-se diante
De si mesmo procurando a solução
adequada.

Oh sonhos perturbadores!
Quimeras de eras que não
Se compreende como os
Assuntos humanos, vós
Causais em nobres, plebeus,
Sábios, a amargura da negação,
A amargura ao sentir o peso
Cruel e inexorável do mistério.

Quisera o grande rei alcançar
Cada símbolo visto no sonho,
Mas sua nobre inteligência
Falha nesse grandioso desafio,
Neste desafio em que a mente
Perde luz e se entrega à sombra
Da dúvida e da falta do justo
Conhecimento guardado!

Poeta
lud
Poeta lud
Poemas del mismo poetaMás poemas
Rss del poetaRss del poeta
EstadísticasEstadísticas
 
Poema
Fecha 12/5/2018 18:13:27
Lecturas 94
Favoritos 0
Licencia Licencia Creative Commons
Enviar a un amigoEnviar
Versión imprimibleImprimir
Crea un documento PDF con el poemaCrear un pdf
Recientes
Haikai 797
Haikai 796
Haikai 795
Haikai 794
Haikai 793
Al azar
As normas do Ka
Haikai 308
Ariadne em Dia
Homer, poesia épica (1895), Pierre Puis Chavannes
Haikai 170
Los usuarios son responsables de sus propios comentarios.

Etiquetas

Login

Nombre:

Contraseña:

Recordar



¿Recuperar la contraseña?

Regístrese

Comentarios recientes

Poemas más leídos recientemente

A Irregularidade do ato
AJCardiais
16/10/2018 15:45:26
O Meu Coração
AJCardiais
30/9/2018 23:28:22
A nobreza de quem sabe sofrer
AJCardiais
29/12/2018 11:56:18
Erudição
AJCardiais
25/4/2019 18:46:46
Obrigado Poeta
AJCardiais
4/11/2012 14:43:13
Experimentação ou Possibilidades
AJCardiais
10/6/2012 18:06:56
MI PUEBLO
necoperata
3/11/2012 3:34:26
A MI ESPOSA Y MADRE
joseferchozamper
13/5/2012 1:40:09
2 meses a tu lado
caz_master
11/5/2012 4:22:07
Tus lindos ojos
juank0905041
20/9/2013 17:14:33