Latino-Poemas
¡Regístrese Ahora!     Conectarse

Consultar

Otros

Usuarios conectados

17 usuario(s) en línea (10 usuario(s) navegando Poemas y prosas)

Registrados: 0
Invitados: 17

más ....

Licencia

Licencia Creative Commons

Prosas Poéticas : 

O.C.O.

 






ele, em estado terminal, sentava-se no fundo do quintal naquele banco úmido já carcomido pelo
tempo; e ficava ali horas observando os voos, as idas e vindas dos pássaros, bem antes da
visita dos morcegos frugívoros, como que esse ato de espreita fosse sua matemática do tempo;
acompanhava minuciosamente o traçado das formigas na parede e o som citadino das máquinas
que pareciam de outro mundo; às vezes esforçava-se para entender a perfeição do ciclo vital, posto que a rés do chão, coçando a cabeça calva, contava os insetos rasteiros e alados que serviam de alimento para os calangos e lagartixas.

mesmo assim, costumeiramente, olhava pro vazio, pro vazio das horas; esquadrinhava a
arrumação das galhas e, tristonho, sentia sua alma, ao léu do vento, levitar em constante
despedida, mas, o que ele pensava? talvez que, a cada instante, aquela fosse sua finda visão
de tantas que lhe sobrevinham sobre suas várias etapas em que a vida lhe fora
infinitamente maravilhosa, apesar dos anteparos que se lhe ofereceram como
desafios. e agora? um tanto mais de quê?! talvez de sua missão cumprida, ciente
de que o câncer o derrotara de vez, embora tivesse lutado e achado forças que nem
sequer imaginava...

e eu ficava ali -- do alto da varanda, observando seu silêncio, seu olhar
as nuvens, sua satisfação pelas minúsculas vidas pulsantes ao seu redor, e aquela
tremedeira constante --, simplesmente, eu apenas rezava para que uma nova hemorragia não o
arrebatasse de vez, e me viesse o vazio impreenchível como se um pouco de mim, indiretamente,
sucumbisse, sem que o mesmo, a cada olhar lá do fundo do quintal, me envolvesse
no findo e paterno adeus.




***


clique no link abaixo:

prosas & poemas de rehgge




Poeta
REHGGE
Poeta REHGGE
Poemas del mismo poetaMás poemas
Rss del poetaRss del poeta
EstadísticasEstadísticas
 
Poema
Fecha 9/4/2016 7:12:27
Lecturas 649
Favoritos 0
Licencia Licencia Creative Commons
Enviar a un amigoEnviar
Versión imprimibleImprimir
Crea un documento PDF con el poemaCrear un pdf
Recientes
o mago.
hoje apenas colho ressacas...
atrás das pálpebras.
muito além da carne e dos sentidos.
do tempo decrescente
Al azar
atrás das pálpebras.
O.C.O.
um toque de sensibilidade.
vendavais.
sr. Jones
Los usuarios son responsables de sus propios comentarios.

Autor Hilo
REHGGE
Enviado: 9/4/2016 7:18  Actualizado: 9/4/2016 7:18
Incondicional
Incondicional
Avatar
Conectado: 19/2/2012
Desde:
Envíos: 280
Icon Re: O.C.O.
NA> 'em memória de meu pai"

Etiquetas

Login

Nombre:

Contraseña:

Recordar



¿Recuperar la contraseña?

Regístrese

Comentarios recientes

Poemas más leídos recientemente

2 meses a tu lado
caz_master
11/5/2012 4:22:07
PROVERBIOS SUMERIOS
JoelFortunato
5/12/2012 3:35:09
MI PUEBLO
necoperata
3/11/2012 3:34:26
MI HOGAR
Starlight
26/9/2011 20:51:59
Tus lindos ojos
juank0905041
20/9/2013 17:14:33
Meu coração e eu
AJCardiais
13/10/2018 13:23:13
TU MIRADA...
RAMSHADY
19/7/2012 3:27:29
Ambigüedad
Vicky
3/11/2011 2:03:16
Soneto perpétuo
AJCardiais
18/10/2018 11:19:24
A Irregularidade do ato
AJCardiais
16/10/2018 15:45:26