Latino-Poemas
¡Regístrese Ahora!     Conectarse

Consultar

Otros

Usuarios conectados

22 usuario(s) en línea (14 usuario(s) navegando Poemas y prosas)

Registrados: 0
Invitados: 22

más ....

Licencia

Licencia Creative Commons

Prosas Poéticas : 

O.C.O.

 






ele, em estado terminal, sentava-se no fundo do quintal naquele banco úmido já carcomido pelo
tempo; e ficava ali horas observando os voos, as idas e vindas dos pássaros, bem antes da
visita dos morcegos frugívoros, como que esse ato de espreita fosse sua matemática do tempo;
acompanhava minuciosamente o traçado das formigas na parede e o som citadino das máquinas
que pareciam de outro mundo; às vezes esforçava-se para entender a perfeição do ciclo vital, posto que a rés do chão, coçando a cabeça calva, contava os insetos rasteiros e alados que serviam de alimento para os calangos e lagartixas.

mesmo assim, costumeiramente, olhava pro vazio, pro vazio das horas; esquadrinhava a
arrumação das galhas e, tristonho, sentia sua alma, ao léu do vento, levitar em constante
despedida, mas, o que ele pensava? talvez que, a cada instante, aquela fosse sua finda visão
de tantas que lhe sobrevinham sobre suas várias etapas em que a vida lhe fora
infinitamente maravilhosa, apesar dos anteparos que se lhe ofereceram como
desafios. e agora? um tanto mais de quê?! talvez de sua missão cumprida, ciente
de que o câncer o derrotara de vez, embora tivesse lutado e achado forças que nem
sequer imaginava...

e eu ficava ali -- do alto da varanda, observando seu silêncio, seu olhar
as nuvens, sua satisfação pelas minúsculas vidas pulsantes ao seu redor, e aquela
tremedeira constante --, simplesmente, eu apenas rezava para que uma nova hemorragia não o
arrebatasse de vez, e me viesse o vazio impreenchível como se um pouco de mim, indiretamente,
sucumbisse, sem que o mesmo, a cada olhar lá do fundo do quintal, me envolvesse
no findo e paterno adeus.




***


clique no link abaixo:

prosas & poemas de rehgge




Poeta
REHGGE
Poeta REHGGE
Poemas del mismo poetaMás poemas
Rss del poetaRss del poeta
EstadísticasEstadísticas
 
Poema
Fecha 9/4/2016 7:12:27
Lecturas 621
Favoritos 0
Licencia Licencia Creative Commons
Enviar a un amigoEnviar
Versión imprimibleImprimir
Crea un documento PDF con el poemaCrear un pdf
Recientes
o mago.
hoje apenas colho ressacas...
atrás das pálpebras.
muito além da carne e dos sentidos.
do tempo decrescente
Al azar
hoje apenas colho ressacas...
atrás das pálpebras.
do tempo decrescente
um toque de sensibilidade.
sr. Jones
Los usuarios son responsables de sus propios comentarios.

Autor Hilo
REHGGE
Enviado: 9/4/2016 7:18  Actualizado: 9/4/2016 7:18
Incondicional
Incondicional
Avatar
Conectado: 19/2/2012
Desde:
Envíos: 280
Icon Re: O.C.O.
NA> 'em memória de meu pai"

Etiquetas

Login

Nombre:

Contraseña:

Recordar



¿Recuperar la contraseña?

Regístrese

Comentarios recientes

Poemas más leídos recientemente

2 meses a tu lado
caz_master
11/5/2012 4:22:07
MI PUEBLO
necoperata
3/11/2012 3:34:26
EL NIÑO QUE LLEVAMOS DENTRO
Starlight
5/10/2011 0:13:44
Ato Contínuo
AJCardiais
12/8/2018 11:11:27
Tus lindos ojos
juank0905041
20/9/2013 17:14:33
MI HOGAR
Starlight
26/9/2011 20:51:59
A MI ESPOSA Y MADRE
joseferchozamper
13/5/2012 1:40:09
TU MIRADA...
RAMSHADY
19/7/2012 3:27:29
Fechando o Cerco
AJCardiais
29/7/2018 23:25:08
DESCANSA EN PAZ...
Claudia
1/8/2012 23:59:35