Latino-Poemas
¡Regístrese Ahora!     Conectarse

Consultar

Otros

Usuarios conectados

19 usuario(s) en línea (12 usuario(s) navegando Poemas y prosas)

Registrados: 0
Invitados: 19

más ....

Licencia

Licencia Creative Commons
Crónicas : 

sr. Jones

 
Eu sei, sr. Jones, na vida tem aquela capoeira seca...basta um palito de fósforo e só resta as cinzas a se dissiparem no vento, mas, creia sr. Jones -- você... formado em Glasgow, conhecedor de vários países e civilizações, poliglota e o escambau, teórico e filósofo -- você nunca soube o que é amassar barro com os pés, você nunca soube sobre as mãos calejadas dum batedor de tijolo numa olaria sob um sol de 40 graus, muito menos sobre o ciclo da piracema nos rios; você nunca cultivou uma hortaliça nem uma flor, enfim, de que lhe adianta cultuar ícones literários na praticidade e ciclo vitais?... de que lhe adianta me dizer que já cafungou e fumou um monte de baseado com um bando de intelectuais, se a maior loucura é viajar com os pés no chão e sentir o cheiro da fauna e da flora e indignar-se com os suor dos que encaram a vida de frente? Veja, sr. Jones, eu mal falo o português e, no entanto, convido-o a um banho de cachoeira para espantar os espíritos imundos; convido-o a uma viagem sem a metalinguagem de quem caminha de muletas ao entendimento do que é a vida. Ora, sr. Jones, você me diz que New York é o epicentro do mundo e que Londres e Paris são o berço das novas atitudes e conceitos sobre a insatisfação da mesmice, ou do pensamento dormente acerca dos novos raiares do modelo imposto pela civilização tecnológica. Ora, sr. Jones, vivo na América do Sul, numa city próxima a Sampa e, em Sampa, o mundo, as culturas passam por aqui, por isso não me trate como sub-raça e menos inteligente porque tenho menos horas de voo e nunca viajei de avião. Lembre-se: sou um cidadão comum, iletrado, que apenas prefere fazer parte da roda viva como a formiguinha capaz de carregar uma folha com dez vezes o seu peso. Se o teu fardo, sr. Jones, é o de criar metáforas e teses a respeito dos porquês, o meu é o de processar em meu intelecto quão invasor sou na maravilhosa natureza e conteúdo material de um grão de areia, ou de um pigmento pulsante na tela reveladora de mundos abstratos que crio e recrio com os pés no chão. Nada se perde, tudo se transforma. Aí, sr. Jones, desculpe a minha ignorância, mas o que é a vida pro senhor?




***Rehgge, em pensares filosóficos

**


clique no link abaixo:

prosas & poemas de rehgge




Poeta
REHGGE
Poeta REHGGE
Poemas del mismo poetaMás poemas
Rss del poetaRss del poeta
EstadísticasEstadísticas
 
Poema
Fecha 2/4/2016 2:14:24
Lecturas 446
Favoritos 1
Licencia Licencia Creative Commons
Enviar a un amigoEnviar
Versión imprimibleImprimir
Crea un documento PDF con el poemaCrear un pdf
Recientes
o mago.
hoje apenas colho ressacas...
atrás das pálpebras.
muito além da carne e dos sentidos.
do tempo decrescente
Al azar
o mago.
atrás das pálpebras.
O.C.O.
um toque de sensibilidade.
sr. Jones
Los usuarios son responsables de sus propios comentarios.

Etiquetas

Login

Nombre:

Contraseña:

Recordar



¿Recuperar la contraseña?

Regístrese

Comentarios recientes

Poemas más leídos recientemente

2 meses a tu lado
caz_master
11/5/2012 4:22:07
¿Qué es ser papa?
conexion_ab
26/8/2016 17:16:44
MI PUEBLO
necoperata
3/11/2012 3:34:26
Horas perfumadas
wessouza
7/1/2012 16:31:01
Pisando Devagar
AJCardiais
5/6/2018 14:12:07
MI HOGAR
Starlight
26/9/2011 20:51:59
Tus lindos ojos
juank0905041
20/9/2013 17:14:33
Sem Tema, Sem Lema
AJCardiais
8/6/2018 12:38:59
TU MIRADA...
RAMSHADY
19/7/2012 3:27:29
Absurda Inocencia
Catriel
12/6/2018 23:00:03