Latino-Poemas
¡Regístrese Ahora!     Conectarse

Publicidad

Consultar

Otros

Usuarios conectados

14 usuario(s) en línea (9 usuario(s) navegando Poemas y prosas)

Registrados: 0
Invitados: 14

más ....

Licencia

Licencia Creative Commons

Protección de copia

 Proteja sus poemas con Tynt
Poemas : 

Repente Repetente

Etiquetas: Etiquetaspoema   Etiquetasrap   Etiquetaspitagoras   Etiquetasrepente   Etiquetasrepetente  
 
Repente Repetente
 

 
Pitagoricamente início o repente como uma corrente que sempre vai pra frente e sente que de repente pode chegar a derrapar, mas a de voltar pra linha racional de achar tudo normal, não tem nada de mal em tomar caipirinha e aspirar benzina e falar que são as buzinas que estragam a minha vida e a deixam corroída, mas ta tranqüilo e tenho amígdala pra ganhar no gogó as minhas briga, pois assim causa menos fadiga e para fazer repente e voltar a rima repetente que flui a corrente. Não sou nenhum demente inconseqüente, o verbo é coerente que se influa em ti o ser valente para atacar os de patente, não sou paciente e a chapa já ta quente, como um dia normal em Bangu, como a caldeira que se prepara o vodoo e eu tenho sangue frio e sempre vago pelo Rio sombrio com a noite no cio nem rio com o sangue no olho, mas não parasito como carrapato em cima de um piolho, sou só a peste, sou mais um carioca cabra que veste seu estado e adoto Noel rosa como mestre muito mais valioso que se guiar-se nos conselhos do Doutor Quest, mas tenho um pé no nordeste e o que reveste a carcaça é o tambor de maracatu que tem o sabor doce como de um licor de menta, mas é arriminado como a pimenta que tempera minha vida e já to quase de saída, mas ainda tem nela coisa a serem extraídas.

Me diga o quer que eu fale? Comente coisas que te abale como o cio capital, que enfeita a coluna social, mas não me representa e nem me apresenta a vida como deveria ser, a vida como ela é, guiadas infelizmente por uma falsa fé e não há mais nada de muito bom a se conhecer, e esse que esta a tua frente é só mais um verso do repente repetente que invade sua mente não por seres inconseqüente é que ele muito mais congruente que tu possa assimilar a nível consciente.

Agora chegamos a estrofe final e não repare na concordância verbal, isso é pra dar mais sal, liberdade poética, pensando na estética e o que importa é a fonética, por isso ignoro a gramática, cuspo na suástica, e me apoio na ciência rimática que é muito mais enfática, me formou como Mc, ex MonoDred, eterno Tiago Miçanga que arregaça as mangas e as miçangas balança e gera o caos: desconstruo o censo comum bebo caninha, saque ou rum, e peço sempre mais um e não gosto que nenhum cusão-vacilão tire o microfone da minha mão pois cantar me da muito mais tesão e ao chegar de repente se sente que a frente vai terminar a corrente pitagoricamente batizada de repente repetente.


A supimpa tipo. Yo soy un poeta Carioca (cerca de los suburbios redneck), yo sé por DJ Goro (no guisantes secos y el dinero no es divertido), multi-instrumentista (no el talento para tocar cualquier instrumento, pero un gran esfuerzo juega un lun ...

Publicado originalmente noi folhetim cantinho do Poeta feliz e faz parte do repetrorio do SASQUAT Som Sistema.
Poeta
otiagom
Poeta otiagom
Poemas del mismo poetaMás poemas
Rss del poetaRss del poeta
EstadísticasEstadísticas
 
Poema
Fecha 24/1/2011 2:49:37
Lecturas 526
Favoritos 0
Licencia Licencia Creative Commons
Enviar a un amigoEnviar
Versión imprimibleImprimir
Crea un documento PDF con el poemaCrear un pdf
Recientes
Epitafio para el senador Joventino
Avenida das Américas
Aduendado
Antiátomo
Ficción para Bolsillo Grande
Al azar
Idea-Fijo para el día
Sangre Nueva
Olhos das Trevas
A Mascara (1º Ato) Ex-Soneto
Todos nós que já se foram - segunda parte
Los usuarios son responsables de sus propios comentarios.

Etiquetas

Login

Nombre:

Contraseña:

Recordar



¿Recuperar la contraseña?

Regístrese

Comentarios recientes

Poemas más leídos recientemente